_

26/04/2018 - 19:05

Carta-compromisso garante intercâmbio
na área de TI entre os Tribunais de Contas

 

 

Com a presença de especialistas em tecnologia da informação e autoridades de tribunais de contas de diversos estados e municípios, foi realizado nesta quinta-feira (26/4), no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), o ‘I Encontro Técnico de TI dos Tribunais de Contas'. Tendo como objetivo maior o compartilhamento de informações da área de TI das cortes de contas para aprimorar a transparência e o controle externo, o evento foi aberto pela presidente interina do TCE-RJ, Marianna Montebello Willeman, que destacou o papel desempenhado pelo setor. Ao fim do encontro, foi assinada uma carta-compromisso com a intenção de oficializar e garantir o necessário intercâmbio entre as áreas de TI dos tribunais de contas.

 

"A tecnologia da informação é fundamental para um controle externo mais efetivo, e o TCE-RJ está totalmente aberto para esta troca de experiências e ideias", afirmou a presidente interina, que ainda citou os grandes avanços obtidos em transparência desde abril de 2017. Segundo Marianna, dois requisitos são de extrema importância para a efetividade do controle externo: a objetividade e a impessoalidade. "As decisões sobre o que vai ser fiscalizado devem ser objetivas e impessoais, e é a área de TI que nos permite viabilizar o controle externo dessa forma, graças a seus recursos, big data e cruzamento de informações", ressaltou a presidente interina.

 

Coube ao diretor-geral de Tecnologia da Informação do TCE-RJ, Lucio Camilo Oliva Pereira, a primeira palestra do dia, iniciada com uma curiosidade: o evento, ao qual compareceram cerca de 300 pessoas, nasceu com um modesto grupo de WhatsApp que tinha o objetivo de trocar ideias. A partir daí, pensou-se numa reunião menor e acabou-se chegando ao encontro desta quinta-feira. Como Marianna, o diretor-geral deu muita ênfase à colaboração entre os setores de TI das cortes de contas.

 

De acordo com Lucio, a carta-compromisso servirá para "dar continuidade a essas reuniões, manter a integração e criar grupos de atividades específicas". Segundo o diretor, para quem o setor de TI deve ser visto como estratégico nas cortes de contas, não faz sentido um tribunal despender tempo e recursos humanos para desenvolver algo que outro já fez. "É preciso otimizar esforços, usar as boas ideias de outros tribunais. Se alguém já pensou num determinado projeto, numa solução para um problema, pode colaborar de forma efetiva, tirando dúvidas e apontando caminhos", destacou. Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.

 

A segunda palestra ficou por conta de Renato Triani Guerra, da Assessoria de Informática do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro (TCM-RJ). Em ‘Uso do Scrum e Metodologias Ágeis para o Desenvolvimento de Sistemas', o palestrante levou ao público o passo a passo da implementação do Scrum, modalidade de gestão, planejamento e desenvolvimento de softwares que agilizou a operação de TI naquele órgão municipal. "Hoje, fazemos mais, em menor tempo, com menos gente e por um menor custo". Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.

 

A utilização da tecnologia da informação na definição da estratégia de atuação do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO) foi o tema da palestra ‘Recepção de Dados e Painéis de Controle. A Estratégia de BI do TCE-GO'. Marcelo Xavier, da Gerência de Tecnologia da Informação do TCE-GO, tratou da mudança de atitude necessária para que se passasse a utilizar de forma mais prática os dados fornecidos pela área de Tecnologia da Informação para se chegar a resultados concretos, como os 81% de redução do tempo da tramitação de processos contratuais em 2017, que gerou economia de R$ 1,3 milhão para a instituição. Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.

 

A palestra do secretário de Soluções de TI do Tribunal de Contas da União (TCU) Rodrigo Feslidório, ‘A transformação do controle externo sob a perspectiva digital', foi dividida em três partes: introdução, iniciativas e soluções. "Os mesmos caminhos só levam aos mesmos lugares. A solução é o uso intensivo de tecnologias", afirmou. O servidor falou sobre desenvolvimento com práticas ágeis, design thinking e a criação de aplicativos, como o ‘e-TCU mobile' para uso da população. "Nós não temos investido em soluções de uso próprio, temos focado em projetos para aumentar a eficiência da administração pública como um todo", finalizou. Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.

 

Na quinta palestra do dia, o auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás (TCM-GO), Bruno Marquete da Silva, apresentou o aplicativo ‘Mapa Escolar', criado para monitorar a qualidade das escolas brasileiras. "Uma sociedade alerta e atenta na fiscalização da Educação é fundamental. Hoje, o TCM-GO  tem cerca de 400 auditores externos para todos os segmentos em que atua. Não queremos o cidadão apenas como espectador, mas atuante e ao nosso lado", avaliou Bruno, um dos responsáveis pela criação do mecanismo. Pelo aplicativo é possível saber onde está localizada a escola mais próxima, saber dados de sua infraestrutura, fazer avaliações e comentar. Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.

 

A última palestra teve como tema ‘O potencial da rede dos TCs' e foi conduzida pela secretária de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas do Estado do Ceará (TCE-CE), Érika Campos. Ela deu como exemplo a parceria com o TCE-RJ para enfrentar os desafios após a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará, em agosto de 2017, que fez com que o seu número de jurisdicionados da instituição para a qual trabalha passasse de 105 para 5.328. "O TCE-RJ nos ajudou muito com a confecção do nosso aplicativo de gestão educacional, por exemplo. Chegou a hora de termos essa rede operacionalizada para que possamos trocar dados, termos de referência, aplicações, entre outros. Esse canal de comunicação precisa ser mais forte", finalizou. Clique para acessar a matéria completa sobre a palestra.